Os UFOs do Pentágono andam realmente agitando as coisas dentro e fora dos Estados Unidos e muitos sites científicos começam a dar espaço para o assunto. 

Conforme publicamos na semana passada, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) anunciou a criação de uma força-tarefa para analisar e compreender a “natureza e as origens” dos UAPs.

O Departamento da Marinha, sob a tutela da Subsecretaria de Defesa de Inteligência e Segurança, comandará a Força-Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados (UAPTF).

A missão da UAPTF “é detectar, analisar e catalogar os UAPs que podem representar uma ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos“, disseram as autoridades em um breve comunicado divulgado na sexta-feira, dia 14 de agosto.

Mas antes de colocar sinais de saudação e começar a jogar esteiras de boas-vindas para os alienígenas que chegam, um pouco de perspectiva e contexto são necessários.

Nesse sentido, o portal Space.com foi ouvir alguns especialistas em UFOs dos Estados Unidos

Um ufólogo e um cientista da NASA


Mark Rodeghier Crédito: YouTube

“A formação de uma força-tarefa sobre UFOs é outro desenvolvimento bem-vindo no recente interesse renovado e atenção a esses relatórios por agências governamentais e atores políticos”, disse Mark Rodeghier, presidente e diretor científico do Centro J. Allen Hynek para Estudos de UFOs em Chicago.

Sem mais detalhes, é impossível avaliar o quão bem posicionada a força-tarefa estará para investigar seriamente os relatórios, Rodeghier acrescentou, “mas continuo cautelosamente otimista por enquanto”.

Já Jim Oberg, um notável jornalista espacial, historiador, e cientista profissional de foguetes, cuja carreira inclui mais de 20 anos no Johnson Space Center da NASA em Houston, disse não ter dúvidas de que “os serviços de Inteligência militar ao redor do mundo sempre estiveram interessados ??em relatos sobre UFOs, e se um fenômeno real está ou não por trás de alguns deles”.


Jim Oberg Crédito: YouTube

Ele ressalta, porém, que existem muitas razões não ligadas aos extraterrestres pelas quais o Departamento de Defesa está interessado em relatos de UFOs, todas eles ligadas à segurança e defesa do território e do povo norte-americano.

“Observadores do denário ufológico, ao longo dos últimos dois terços de século, notaram uma característica reveladora da evolução dos relatos”, disse Oberg. “Sua natureza está mudando, mantendo um ritmo incrível com o progresso das tecnologias de observação e detecção humana”.

Oberg acrescentou que, ano após ano, os UFOs antigos desaparecem pouco antes do advento de novas tecnologias que os teriam documentado de forma inequívoca, para serem substituídos por um novo sabor de “anomalias” que correspondem precisamente aos limites da visão de novas tecnologias.

Uma visão cética


Robert Sheafer Crédito: Wikipedia

Na opinião do escritor e cético em relação aos UFOs Robert Sheaffer a força-tarefa não seria tão significativa quanto as pessoas estão dizendo.

“É apenas uma resposta a toda a publicidade gerada pela To The Stars vazando os três vídeos infravermelhos da Marinha, que o Pentágono divulgou posteriormente”.

“Nas Forças Armadas, uma força-tarefa é algo feito para lidar com uma situação ou problema específico. Espera-se que produza um relatório e recomendações a respeito desse assunto e é dissolvida quando o trabalho termina”, disse Sheaffer

As áreas de operações militares (MOAs) são claramente designadas nos mapas da aviação, e as aeronaves civis geralmente devem evitá-las, apontou Sheaffer.

A maioria dos comentários recentes do Pentágono sobre objetos não identificados mencionam “incursões de alcance”, ou seja, objetos desconhecidos que parecem estar entrando em um desses MOAs.

“Então, parece que os militares estão preocupados com objetos não identificados que podem estar se intrometendo em sua caixa de areia. Se objetos não identificados aparecerem em outro lugar, os militares não se importam”, explicou Sheaffer.

“Os vídeos do ‘Tic Tac’ e do ‘Gimbal’ parecem mostrar jatos distantes, que provavelmente estão bem fora do MOA, muito longe. Os militares estão investigando com muita cautela e sensibilidade às críticas”, completou ele.

Expectativas moderadas


Sarah Scoles Crédito: Women Across Frontiers

Sarah Scoles, autora do livro They Are Already Here: UFO Culture and Why We See Saucers [Eles já Estão Aqui: a cultura ufológica e por que vemos discos voadores. Pegasus Books, 2020], pensa que a força-tarefa é uma boa iniciativa.

“Em primeiro lugar, eu diria que o estabelecimento de uma força-tarefa para investigar e compreender os UAPs faz sentido e poderia, se feito de forma sistemática e científica e transparente, fornecer dados úteis na interpretação dos avistamentos dos pilotos”, disse ela ao Inside Outer Space.

E também faz sentido, segundo ela, que o Departamento de Defesa – cujo trabalho é, claro, proteger os Estados Unidos de ameaças – esteja empreendendo esse esforço.

“No entanto, acho que aqueles que esperam conclusões grandes e exóticas da força-tarefa fariam bem em moderar suas expectativas. Se você olhar o que o anúncio oficial realmente diz, não é tão extraordinário quanto pode parecer à primeira vista”.

 

O caso é que o assunto continua repercutindo, e muito, com a mídia dando casa vez mais espaço para a possibilidade de que os UFOs sejam, realmente, não terrestres.

 

Fonte: Space.com  

 

Assista, abaixo, um vídeo sobre os UFOs do Pentágono: